Wacken Open Air 2014 – 25º Aniversario

Wacken Open Air 2014 – 25º Aniversario 

Texto e Fotos: Leo Wacken



Com certeza o vigésimo quinto aniversário do maior festival de metal do mundo, foi um dos melhores de todos os tempos e em apenas  48 horas  tiverem seus ingressos totalmente esgotados para os dias entre 31 de julho e 02 de agosto. Realmente com grandes bandas e uma grande concentração de bangers do mundo todo dando inicio a esse maravilhoso festival.

Quarta – Feira 30 de Julho

Meu amigo Pedro e eu chegamos quarta a noite, vindo de Stuttgart em uma viajem de 8 horas de ônibus, pegamos nossas credenciais e depois fomos até a área V.I.P para montarmos nossas barracas ,  se entrosar com o pessoas que já estavam acampadas e aproveitar para passear pela Wacken Village assistindo aos shows do Metal Battle e Wacken Karaoke.

Quinta-Feira 31 de Julho

O Hammerfall  fez um show especial, onde tocaram na integra Glory to the Brave de (1997) um dos maiores álbuns da banda e outras musicas de outros álbuns como: “Any Means Necessary”, “Blood Bound”, “Bushido” e “Hearts on Fire”. 
Eles começaram com “Child of the Damned”, levantando o publico presente.
Antes de “Stone Cold” um ex - membro da banda foi apresentado por Joacim  para fazer parte desta grande festa, Stefan Elmgrem também foi apresentado fazendo com que os fãs gritassem muito alto.
O mesmo aconteceu para o ex - baterista, Patrik que teve o prazer de tocar “Unchained” e Jesper Strömblad que tocou “The Dragon Lies Bleeding”.
Foi um grande show e adorei ouvir este maravilhoso álbum na íntegra. 

Os americanos do Steel Panther fizeram um grande show, ainda mais mostrando seu Hard Glam Rock anos 80 abordando letras humorísticas esclarecendo o que eles estão dispostos a fazer, pois não havia limites. 
Musicalmente foram simplesmente perfeitos, mas realmente o que me impressionou foi a incrível atuação de Michael Starr que foi capaz de interagir com público, especialmente com as garotas, pois eles queriam ver os seus seios, e todas estavam loucas para mostrar em cima do palco enquanto a banda tocava.
No meu ponto de vista o ponto fraco foram piadas excessivas de Michael Starr antes de cada canção, pois demorava muito, mas sua performance foi sensacional  e fez com que o publico cantasse a cada musica tocada.

Saxon foi realmente incrível. Eu já tinha os visto algumas vezes, mas esse show no Wacken foi o melhor de todos os tempos e ainda mais por estarem comemorando 35 anos de carreira.
Biff entrou no palco em uma motocicleta e introduziu a primeira música, “Motorcycle Man” com exceção de “Sacrifice” e “Battalions of Steel”, ainda mais contando com grandes clássicos “747 (Strangers in the Night)” mostraram uma grande energia no palco que parecia jovens voltando na época de 80. O publico já estava cantando todos suas musicas, mas quando decidiram tocar a mais esperada “Crusader” os fãs se enlouqueceram, pois foi introduzida como o pano de fundo onde caiu e eu lá estava, aquela maravilhosa águia pousando de asas abertas, eu me emocionei tanto que quase chorei.
Foi realmente encantador aos olhos de todos que lá estavam.

Accept foi um dos shows mais esperados do primeiro dia.
Antes de se apresentarem, os fãs já gritavam enlouquecidamente o seu nome. Então, eles começaram com o novo “Stampede” single seguido por “Stalingrad”. A performance estava matadora e o publico cada vez mais empolgado, ainda mais quando iniciaram uma trinca contando com as maravilhosas “London Leatherboys”, “Breaker” e “Restless and Wild” dava pra ver o publico cantando e aplaudindo mais e mais, a banda ficou simplesmente de queixo caído ao ver aquele mar de gente. Sem contar com as magnificas “Princess of the Dawn”, “Fast as a Shark”, “Metal Heart”, “Balls to the Wall” e “Burning” fechando a noite com chave de ouro.

Sexta – Feira 1 de Agosto

Quando falamos de Motorhead, sem duvida nenhuma estamos falando de uma das maiores e mais importantes bandas do cenário Metal mundial e ainda mais se tratando de Wacken, mas dessa vez a performance  não foi tão grande coisa, chegando até a decepcionar  publico, pois a banda já não estava tão empolgada como anteriormente em sua carreira. E era mesmo evidente que Lemmy não estava totalmente bem, mas como de costume a banda levantou o publico arrebentando em “Killed by Death” com a Deusa do Metal  Doro Pesch que se juntou a eles. 
Um grande momento foi quando tocaram a clássica “Ace of Spades” o publico foi ao delírio.
Mandaram uma boa combinação de novas e velhas canções que terminam com “Overkill”. 
Lembrando que no ano passado, Lemmy teve um problema de saúde fazendo com que quase desmaiasse no palco depois de cerca de 30 minutos de show.

O Slayer como sempre é uma das maiores bandas do Thrash Metal Mundial, independentemente de rótulos e eu não me importo com que as pessoas dizem.
Bom, vamos ao show. Eles entraram no palco com a magnifica “Hell Awaits” e destruíram com um setlist composto por todos os clássicos que todos nós amamos e somente duas musicas novas “Hate Worldwide” do álbum World Painted Blood (2009) e “Disciple”.
Foi um show totalmente destruidor, além do palco que estava com uma decoração envolvendo crucifixos invertidos com as próprias caixas de som no palco mandando seu thrash metal em clássicos como “The Antichrist”, “Black Magic”, “Captor of Sin”, “Dead Skin Mask” e, é claro, “Raining Blood". O set terminou com a homenagem Jeff Hannemann  mandando a maravilhosa “Angel of Death”.


King Diamond provavelmente um dos melhores shows que eu já vi e eu preciso vê-lo novamente.
A introdução de “The Candle” abriu o show e eu não conseguia acreditar que anos depois eu estaria ali vendo o mestre King na minha frente. Meu corpo estava na platéia , mas minha mente estava em outro lugar cheio de solos de guitarra e um show de horror.
Fiquei muito feliz ao ouvir a magnifica “The Puppet Master” de (2003), além de ouvir duas grandes musicas do maravilhoso Mercyful Fate,“Evil” e “Come to the Sabbath”. Eu também gostaria de ouvir músicas como “Curse of the Pharaoh”, “ Nuns Have no Fun”, “Gypsy” ou “Into the Coven”.
Mas quando se trata de um show desses, simplesmente posso dizer que foi incrível. Para mim o melhor show de Wacken 2014 e definitivamente um dos melhores shows de todos os tempos.

W.A.S.P. terminou a segunda noite do Wacken com um setlist que agradou cerca de 50 mil presentes para curtir seus 30 anos de carreira. Eu fico me perguntando,  porque não tive o prazer de nascer  na década de 70 para ve-los ao vivo nos anos 80? Pois realmente deveria ser impressionante sua performance aquela época quando Blackie ainda era um cara que jogava sangue no corpo, penas, mostrava a bunda e ainda mandava o publico se ferrar, mas 30 anos depois Blackie é uma outra pessoa, porém sua voz ainda é muito boa ao vivo e que o novo material é realmente muito bom mesmo não tendo a pegada crua dos anos 80.
Quando mandaram “L.O.V.E. Machine” o publico cantava sem parar e me fez lembrar da vez que os vi na edição de 2010.
O telão ao fundo mostrava clipes de todos os tempos e as musicas era executadas ao mesmo tempo como se fosse dos próprios clipes. O grandes clássicos “Wild Child”, “I Wanna be Somebody” empolgaram  o publico que foi a loucura cantando mais e mais e finalizaram com a destruidora “Blind in Texas”.

Sábado 2 de Agosto

Hora de acordar cedo, tomar banho, café bem reforçado, passear pelo Metal Market e fazer compras de CDS, Vinils, Camisetas e Acessórios, pois o ultimo dia havia chegado, então brevemente seria a despedia de mais um ano nesse tão sonhado festival.

Arch Enemy entrou no palco bem cedo cerca de 12h00 e o publico estava em peso para prestigiar essa grande banda e sua nova vocalista Alyssa White-Gluz que veio a substituir Angela Grossow fazendo um excelente trabalho.
O setlist levantou o publico com “Yesterday is Dead and Gone”, me surpreendendo naquela manha, ainda mais imaginando que poderiam começar o show com  “Eternal War”, pois era de seu novo trabalho, mas não importa. Realmente foi um grande performance de Alyssa's com sua voz gutural deixando vários marmanjões de queixo caído, ainda mais com dois grandes sons executados “We Will Rise” e “Nemesis”.



Na sequencia foi a vez do Sodom uma das maiores bandas do Thrash Metal Alemão que realmente me surpreendeu mandando ver com “Surfin' Bird”, “The Saw is the Law”, “Remember the Fallen”, “In War and Pieces”, “Agent Orange” e “Ausgebombt”. Então eu te pergunto, precisa dizer mais?
Sodom sempre detona em seus shows com setlists matadores e se tratando de mais de 30 anos de carreira não é fácil escolher as  musicas.



Behemoth foi tão grande como eu esperava. A banda entrou no palco depois de executarem um breve ritual onde tocaram “Play Your Trumpets Gabriel”, dando sequência a um conjunto de todas as músicas que o publico esperava como por exemplo “Conquer All”, “Christians to the Lions”, “As Above So Below” e é claro, “Chant for Eschaton 2000”.
Foi realmente é um grande show e espero vê-los novamente em breve.



Depois de muitos anos de espera Emperor se apresentou no palco do Wacken tocando In the Nightside Eclipse de (1994) celebrando seu 20º aniversário do álbum. A primeira vez em mais de 20 anos com Faust na bateria.
Faust se apresentou empolgadamente com grande performance surpreendendo o publico com suas baquetas. Grandes músicas foram executadas naquela tarde maravilhosa, como “Ancient Queen” e “Wrath of the Tyrant”, o publico cantava e queria mais, então eles responderam a altura mandando a clássica “Fine Day to Die”, que terminou show do Imperor de forma incrível.

Amon Amarth destruiu ao se apresentar em um palco totalmente decorado com plataformas e um barco viking com duas cabeças de dragão nas extremidades. As musicas do setlist empolgaram o publico fazendo com que balançassem suas cabeças com “Father of the Wolf”, “Cry of the Black Birds”, “Asator”, “Guardians of Asgaard”, “Twilight of the Thunder Gods” e “The Pursuit of Vikings”. 
Posso dizer que foi um espectáculo agradável, com brilhante runas em “Twilight”. Johan segurava um martelo gigante e chocava contra o chão para detonar enormes fogos de artifício, e um lugar para ficar em cima das cabeças de Dragão.

O Megadeth se apresentava pela primeira vez no Wacken e não poderia ser melhor, logo na comemoração de 25 anos de existênciadesse tão grande e maravilhoso festival. Houve um problema com o som assim que a banda subiu ao palco, fazendo com que atrasassem cerca de 10 minutos.

Realmente uma grande mistura de clássicos, começando com “Hangar 18” e terminando com “Holy Wars”. O publico presente cantava a cada musica executada e as mais esperadas como “Peace Sells”, “In My Darkest Hour”, “Symphony of Destruction” e “Sweating Bullets” foram matadoras. 
E devo dizer que fiquei feliz surpreso ao ver um vital e energético Dave Mustaine. Já que realmente ele é chato no palco.  Foi em excelente show.

Para encerrar a ultima noite do maior festival de Metal do Mundo foi a vez do Kreator onde simplesmente arrebentaram com um setlist destruidor na minhaopinião, assim como sempre em todas as vezes que tive o prazer de ve-los tanto no Brazil ou em qualquer parte do mundo.
Demonstraram porque é a maior banda de Thrash Metal da Alemanha com canções como “Pleasure to Kill”, “Phobia”, “Enemy of God” e “Flag of Hate”, ainda tocaram novas canções como “Phantom Antichrist”, “Hords of  Chaos “ e “Civilization Collapse”. Sem duvida nenhuma, não há o que reclamar. Eu apreciei cada segundo desse show e cada vez que os vejo, posso dizer que Kreator é a minha banda favorita de Thrash Metal.

Após esse grande show, foi hora de reunir os amigos para nos despedirmos tomando cerveja, tirar algumas fotos, trocar facebook para um possível encontro em 2015, pois logo cedo era hora de tomar banho, comer algo e desmontar as barracas dando adeus a este excelente festival.



Wacken Open Air 2015 já está esgotado e será realizada a partir de 30 julho - 1 agosto e as primeiras bandas anunciado foram:

Running Wild – Unico show em 2015
In Flames
In Extremo
U.D.O. – Com Orquestra
Sabaton
Amorphis – Special Tales From the Thousand Lakes show
Death Angel
Powerwolf
Ensiferum
Kataklysm
Cannibal Corpse
Sepultura
Thyrfing
Savatage – Somente show na Europa
Trans-Siberian Orchestra – Somente show na Europa



Postado por Leo Wacken

MORTHUR - DEATH METAL




A Morthur é uma banda de Death Metal que vai além das características tradicionais do estilo. A banda toca riffs bem construídos com qualidade, peso e obscuridade gerando imersão na atmosfera criada pela banda.
Teve início em 2013, compondo músicas com temas Death/Black Metal os integrantes: André Cândido na bateria, Fabricio Macali no baixo/vocal e Jeferson Casagrande na guitarra/vocal, em abril de 2015 Fabricio Macali deixa a banda por motivos pessoais em maio depois de muito estudo foi chamado Marco Antonio Zanco.
Sua estreia foi no 1º “EN” Carna Rock Metal Fest em 2014, apresentando músicas próprias. A repercussão foi realmente positiva, de forma que incentivou a criação do primeiro EP chamado “Between The Existence And The End”. O EP ainda está em processo de gravação e para ter uma sonoridade única, a banda está fazendo todos os processos de gravação de forma independente. A banda também confirmou sua participação no “XI Obscure Faith Festival” que acontecerá em junho em Santa Maria – RS.
A banda tem como objetivo fortalecer, evoluir e nunca deixar morrer a fonte de liberdade e extremismo chamado Metal.



Links:

Youtube:https://www.youtube.com/channel/UCvV9L7sGFlC-jRRrHnM16kw

Facebook: https://www.facebook.com/morthurband

Google: https://plus.google.com/106510444084021834237/posts

Soundcloud: https://soundcloud.com/morthur Site: http://www.morthur.com/

Contato: http://sanguefrioproducoes.com/contato

Crédito: Sangue Frio Produções
Postagem: SRWINS

OPEN THE ROAD FESTIVAL III - PROMOÇÃO NA RÁDIO EXMERA




OPEN THE ROAD FESTIVAL III


Dia 24 de Maio de 2015
Horário: 17:00 (Portas)

Local: Clash Club

Endereço: Rua Barra Funda, 969 - Barra Funda

Censura: 16 anos (Acompanhado de responsável)

Cidade: São Paulo/SP

 
Horário(s)

17:00 - Portas

18:00 - Cemitério

19:00 - Deranged Insane

20:00 - Satan

21:30 - Nile

Valores:



1º lote

R$ 80,00 (Meia e Promocionais)

R$ 110,00 (Mezanino)

R$ 130,00 (Camarote)

 
Pontos de venda de Ingressos:

 
Pontos de venda (sem taxa de conveniência):

Mutillation Records (Galeria do Rock)

Endereço: Rua Vinte e Quatro de Maio, nº 62, 2º andar, loja 370

Centro - São Paulo - SPPontos de venda (sem taxa de conveniência):

 

 
Demais pontos de venda (com taxa de conveniência)


 
Quer ir por conta da RÁDIO EXMERA, envie um e-mail para contato@radioexmera.com e diga quero ir ao OPEN THE ROAD FESTIVAL III e automaticamente você estará concorrendo a um ingresso para este belíssimo festival.
O ganhador estará com o nome na lista da RÁDIO EXMERA na bilheteria do local.
O sorteio acontecerá no dia 20 de maio de 2015 e o ganhador receberá um e-mail da produção da rádio informando os detalhes.
Não deixe de colocar sua região, telefone para contato e RG.
Essa promoção é valida para todo o território nacional, a RÁDIO EXMERA não se responsabilizará pelo translado para o evento, apenas pelo ingresso.



Mais uma promoção RÁDIO EXMERA & OPEN THE ROAD AGENCY


Sorteio: 20/05/2015

Resenha Monsters of Rock 2015: Arena Anhembi

Um dos maiores e mais importantes eventos de Heavy Metal do Mundo

Texto: Leo Wacken

1º dia: 25/04/2015

Finalmente ao chegar no Anhembi no primeiro dia desse tão grandioso festival eu pude dizer que o Monsters of Rock 2015 estava de volta a São Paulo depois da sua última edição em 2013, pois sem duvida nenhuma é um dos maiores e mais importantes festivais do país comemorando  21 anos desde sua primeira realização no Brasil, e essa realmente foi uma edição inesquecível para os headbangers que o presenciaram nas datas 25 e 26 de abril, na Arena Anhembi.

Ao chegar aos arredores da arena me deparei com inúmeros bangers com seus diversos estilos, camisetas de diversas bandas e também pude perceber que haviam muitos de outros estados somente para cultuar esse grande evento de Heavy Metal, onde realmente estariam as maiores lendas de todos os tempos.
Uma breve ressalva sobre a organização do evento, pois Infelizmente havia uma enorme fila onde o publico levava cercas de 2 horas para entrar no local, isso mesmo depois da abertura dos portões que ocorreu ás 10h da manha. Outra coisa que pecou foram preços abusivos de tudo dentro do evento, pois como pode um copo de água R$ 7, assim como uma cerveja custar R$ 7, sem falar do merchandising das bandas, como por exemplo: Camisetas chegando a custar R$ 100.
Bom agora vamos  ao mais importante que foram os shows.

A primeira banda a se apresentar no evento foi  De La Tierra composto pelo guitarrista Andreas Kisser (Sepultura),  Andrés Giménez (ex A.N.I.M.A.L), o baterista Alex González (Maná) e o baixista Flavio Cianciarulo (Los Fabulosos Cadillacs). Eles subiram no palco cerca de 12:00 e tocaram musicas como:  “Somos Uno”, “San Asesino” e ainda mandaram um cover de “Polícia” dos Titãs.

Na sequência foi a vez da banda de Power Metal Alemão Primal Fear . O grupo já se apresentou diversas vezes no Brasil, mas essa edição seria uma das mais importantes, já que tiveram problemas com o som no ultimo Live N’ Louder  que ocorreu em 2006 na própria arena anhembi, fazendo que que deixassem o palco. Mas dessa vez  nesta edição de 2015, o som estava maravilhoso e o publico pode curtir grandes clássicos de sua carreira como “Nuclear Fire”, “Metal is Forever” e a destruidora “Chainbreaker”, fazendo com que o público gritasse cada vez mais alto o nome da banda.

A banda Coal Chamber se apresentou com pouco numero de expectadores, pois não foi tão recebida já que o estilo musical não agradariam fãs de Judas Priest, Motorhead e Ozzy, mas mesmo assim colocaram-se no seu devido posto e mostraram que são capazes de desempenhar uma grande performance em um grande evento como o Monsters .

A próxima banda a se apresentar no palco do Monsters foi a Rival Songs que traz na sua bagagem um repertório de musicas bem estilo Rock N’ Roll anos 70, realmente foi uma banda que me surpreendeu, pois não conhecia nada até então que me fez lembrar as bandas de épocas passadas até mesmo pelo visual bem retro vestindo ternos. Eles interagiam com o publico a cada musica tocada como “Keep on Swinging”, “Open My Eyes” e não poderia deixar de rolar uma balada chamada “Where I’ve Been”.

O pior momento do festival veio com a apresentação dos Americanos do Black Veil Brides, pois o publico não ficou satisfeito com as musicas que eles trouxeram para o evento que era próprio de Heavy Metal. Com seu estilo Glam/Scream, foram totalmente vaiados pelo publico presente, não dando a mínima chance de permanecer no palco e terminar o show que durou cera de 40 minutos. Muitos jovens adolescentes curtiram os poucos minutos da banda no palco, mas os mais velhos old school estavam mesmo querendo ver a próxima atração que era o Motorhead se recusaram a ver. Então decidiram abandonar o palco e finalizar por ali mesmo.

A próxima atração seria um dos momentos mais aguardados pelo publico durante anos, pois se tratava da apresentação de uma das maiores lendas do Heavy Metal Mundial, o Motorhead, pois o baixista e vocalista Lemmy Kilmster havia ficado doente há alguns anos atrás comprometendo sua saúde. E eis que minutos depois do palco estar montado foi anunciado uma jam com Mikkey Dee, Phil Campbell  e Sepultura que tocaram clássicos do Motorhead, pois Lemmy estava passando mal e não poderia fazer o show. Com certeza o publico ficou muito triste, pois imaginava-se que seria o ultimo show por terras brasileiras. O repertório foi dedicado a Lemmy com clássicos marcantes como “Orgasmatron”, “Ace of Spades” e “Overkill” fazendo com que o publico abrisse uma grande roda de circle pit.

Os grandes ícones da N.W.O.B.H.M (New Wave of Britsh Heavy Metal) subiram no palco por volta das 20:30 com a intro “Battle Cry” completamente ovacionados pelos fãs que gritavam “Olê, Olê, Olá, Judas, Judas”. No set list mandaram logo de cara, a recente e poderosa “Dragonaut” onde o publico ficou simplesmente alucinado. Na sequência destruíram com “Metal Gods” e “Devil’s Child” fazendo com que os fãs cantassem sem parar nos refrãos marcantes.  A noite estava linda e o publico mais ainda, pois aquele mar de gente cantava e agitava sem parar nas matadoras “Victim of Changes”, “Loves Bites”e “Turbo Lover”. Muitos cabeludos balançavam seus cabelos e faziam Air Guitar. Destaque para o vocalista Rob Halford, pois em pleno seus 63 anos de idade, mostra que ainda esta em forma esbanjando seus agudos. Ainda mandaram “Halls of Valhalla” do novo album “Redeemer of Souls”, mas o que os fãs queriam mesmo era ouvir clássicos como “Jawbreaker”, “Breaking the Law” e “Hell Bent For Leather” onde o vocalista Rob Halford entrou com sua Harley-Davidson no palco. Para finalizar com chave de ouro esta grande noite vieram ás destruidoras “The Hellion/Eletric Eye”, “You’ve Got Another Thing Comin’” e ainda o baterista Scott Travis perguntou aos presentes qual seria a última música a ser executada, claro que os fãs queriam a grandiosa “PAINKILLER!” e o fechamento ficou com a tranquila “Living After Midnight”. 

Esta primeira e grande noite do Monsters of Rock foi encerrada pela lenda viva do Metal Ozzy Osbourne e uma grande retrospectiva de seus sucessos como a primeira “Bark the Moon” fazendo com que os fãs cantassem sem parar e logo na sequência um dos maiores clássicos de todos os tempos do Madman “Mr. Crowley” destaque para o teclado que estava sendo executado pelo filho do Rick Wakeman, o Adam Wakeman tocando na sequencia “I Don’t Know”. Ozzy se destaca muito pelo seu jeito alegre e extrovertido no palco, jogava água no publico, batia palmas e ainda se ajoelhou no palco para agradecer seus fãs. Ozzy empolgado deu inicio a primeira musica do Black Sabbath “Fairies Wear Boots”, pois o publico gostaria e muito de ouvir Black Sabbath, ainda mais quando no set list foram tocadas as magnificas “War Pigs”, “Rat Salad”, “Iron Man” e “Paranoid”. Não da pra ficar parado em um show como esse, por que era certeza de poder ouvir grandes clássicos de sua carreira como “Suicide Solution” tirando folego do publico e fazendo com que cantasse na grandiosa balada “Road to Nowhere” onde pude ver muitos celulares acesos que me fez lembrar a época dos anos 80 quando eram acesos isqueiros. Para encerrar mandaram ver “I Don’t Want to Change the World”, “Crazy Train” e “Paranoid” levantando o publico que cantava alucinadamente sem parar. Ozzy ainda ficava brincando com o publico dizendo “One More Song, One More Song...” assim encerrando a primeira noite do Monsters of Rock.

2º dia: 26/04/2015

Se o dia anterior ficou marcado por ter visto lendas do Heavy Metal como Judas Priest e Ozzy Osbourne, já dava pra imaginar o que estava por vir, pois era dia de deixar o cansaço de lado e prestigiar novamente bandas como  Kiss, Judas Priest (novamente), Accept, Yngwie Malmsteen, Unisonic e Manowar entre outras.

 O segundo dia do Monsters of Rock teve inicio com os brasileiros do Dr. Pheabes, uma banda que trás um rock and roll sem modernidade e procuram ser o mais simples possível, mas não empolgou nenhum pouco os presentes até aquele momento.

A próxima atração ficou por conta dos californianos do Steel Panther, confesso que estava curioso para ver esta apresentação já que eu tive o prazer de ve-los tocando no Wacken Open Air 2014 (WOA: O Maior Festival de Heavy Metal do Mundo) onde empolgou mais de 80 mil pessoas. Voltando ao Monsters of Rock, a banda fez um show totalmente divertido, ainda mais se tratando das letras com muita sacanagem, pausas para contar piadas e sem falar da sua performance baseado nas bandas de Hard Rock/Glam dos anos 80 como o Poison, Cinderella etc. Foi um show excelente com muita qualidade, e o que mais chamou a atenção foram as mulheres que subiam no palco ao chamado do vocalista Michael Starr na musica “17 Girls in a Row” onde elas levantam as blusas e mostram os peitos e a cada vez que uma mulher aparecia no telão ela levantava a blusa e mostrava tudo para a alegria de todos os presentes. Até o guitarrista Satchel foi beijada por uma fã. Além disso tocaram sucessos como “Party All Day (Fuck All Night)” e “Death to All but Metal”.

Na sequência foi á vez do sueco Yngwie Malmsteen dar continuidade e esse majestoso evento. O show não foi tão longo, não durando nem uma hora, pois sua equipe teve um atraso de pelomenos 40 minutos ao montar todo seu equipamento. O guitarrista abriu o show com um dos maiores clássicos de sua carreira “Rising Force”, levantando palmas de todos que ali estavam. Aproveitou para tocar uma recente chamada “Spellbound”, e chegou a fazer vários malabares com sua guitarra jogando para cima, nas costas, girando etc. Ainda tocou instrumental como no cover “Purple Haze” de Jimmy Hendrix e ainda cantou. O publico se empolgou com essa grande apresentação que contou com outros grandes clássicos como “Black Star” e “Seventh Sign”.

Um momento que com certeza concentrou fãs de Helloween e Gammaray foi quando a banda Unisonic subiu no palco, já é a segunda vez que os alemães vem para o Brasil reunindo Michael Kiske e Kai Hasen, que sem duvida nenhuma são uma das maiores importâncias do heavy metal alemão. Kiske ainda canta como nunca e chega a tons impressionantes em musicas como “Exceptional”, e “Light of Dawn”, onde o publico cantava sem parar. Esse ano havia um subistituto para o baixo de Mandy Mayer que ficou por conta de Tobias Excel do Edguy. No set ainda tocaram grandes clássicos do Helloween “March of Time” e “I Want You” fazendo com que os fãs ficassem totalmente satisfeitos.

Perto de anoitecer era chegada a hora de uma das maiores forças do Heavy Metal alemão. Accept subiu no palco já ovacionado pelos fãs logo com a “Stampede” faixa de seu último trabalho “Blind Rage” lançado em 2014, já chamando atenção na sequência com o hino da União Soviética em “Stalingrad”. Dava pra perceber a potência sonora da banda e uma performance matadora no palco e riffs de guitarras maravilhosos celebram seus quase 30 anos de carreira. O publico estava empolgado e cantando mais e mais com clássicos como “London Leatherboys”, “Restless and Wild”, tirando o folego dos presentes “Princess of the Dawn” e “Fast As Shark” que nessas alturas os fãs já estavam esgotados de tanta adrenalina, mas tinha espaço para muito mais como a matadora “Metal Heart,” fazendo aquele mar de gente de preto cantar em uma só voz. Ainda tinha espaço para mais em “Teutonic Terror” e “Ball To The Wall” encerrando essa participação histórica no Monsters.

Já era noite quando a banda mais barulhenta do planeta subiu no palco. Manowar para fazer um show histórico, já que na ultima vez que estiveram no Brasil foram criticados pelos próprios fãs devido ao show ser executado somente por músicas dos anos 2000 pra cá, mas dessa vez seria diferente e a banda decidiu fazer um show envolvente somente com grandes clássicos de sua carreira como "Manowar", "Metal Daze", "Kill With Power", "Kings Of Metal", "Hail And Kill" e "Battle Hymns" que arrancaram vozes de todos os headbangers que ali estavam. Houve uma pausa em que o baixista Joey Demaio fez um discurso oferecendo melhoras para o vocalista e baixista Lemmy Kilmster do Motorhead e aos fãs brasileiros por serem fieis ao metal e ao Manowar. O publico ficou realmente satisfeito com essa grande apresentação.

Judas priest executou o mesmo show do dia anterior.

E eis que chegava o momento mais aguardado de todo o festival, pois era hora de ver o maior espetáculo da terra com a maior lenda do Rock ‘N’ Roll Mundial. Kiss subiu no palco com toda potência em muita pirofagia e pirotecnia com um clássico matador “Detroit Rock City” tirando todo mundo do chão. Era uma grande festa onde todos estavam se divertindo e ainda mais quando tocaram “Lick It Up”. Um momento de tirar o folego foi o solo de baixo de Gene Simmons que foi elevado até as alturas para tocar e cantar “God of Thunder”. Kiss é uma surpresa atrás da outra. Paul Stanley subiu na tirolesa e foi para outra plataforma que ficava no meio do público e mandou a magnifica “Love Gun” emendando “Black Diamond”. Grandes clássicos foram tocas para a alegria de todos como “Psycho Circus”, “War Machine”, “Deuce”, “Calling Dr. Love”, “Shout it Out Loud”, “I Was Made For Lovin’ You” e a mais esperada da noite, claro o maior clássico de todos os tempos da banda “Rock And Roll All Nite” encerrando essa grande noite do festival Monsters of Rock que ainda contou com uma queima de fogos de artifício.


Foram dois dias maravilhosos com as maiores lendas do Heavy Metal mundial, que venham mais edições do Monsters of Rock como essa.

Postado por Leo Wacken

220° PROGRAMA EXMERA

 
 


PROGRAMA EXMERA
O Underground Rompendo Barreiras

01- Carcass - Pedigree Butchery
02 - Carcass - Incarnated Solvent Abuse
03 - Celtic Frost - Babylon Fell
04 - celtic frost - circle of the tyrants
05 - OpusTenebrae - Aurea Hyspania
06 - AMAZARAK LENDARIOS BATEDORES DE CABECA
07 - Cemitério - Natal Sangrento
08 - Funeratus - Echoes in Eternity
09 - Darkthrone - forebyggende krig
10 - Deicide - to be dead
11 - Deicide - once upon the cross
12 - cryptopsy - serial messiah
13 - CONTINUUM - CHOKE HOLD
14 - EVIL REMAINS - THE EXECUTIONER
15 - ABOMINATUS - NEGATEDS
16 - CROWN OF SCORN - OR BE DESTRYED
17 - Dimmu Borgir -Nocturnal Fear
18 - Immolation - Furthest form the Truth
19 - Immortal - blashyrkh (mighty ravendark)

www.radioexmera.comwww.radioexmera.com  
www.radioexmera.blogspot.com